11 de setembro de 2020 Por Cintia Pires 0

Climatério e Menopausa: Efeitos sobre comportamento alimentar, estado nutricional, imagem corporal e doenças associadas

No sexo feminino, a fase transitória entre o período reprodutivo e o não reprodutivo, com início por volta dos 40 anos de idade, denomina-se climatério; a menopausa, por sua vez, é caracterizada pela cessação espontânea da menstruação, e geralmente ocorre a partir dos 45 anos. Ambas as fases são caracterizadas por alterações funcionais, morfológicas e hormonais, as quais desencadeiam diversos sintomas vasomotores, psicológicos e urogenitais. Entre os principais sinais e sintomas nessas fases estão fogachos, insônia, irritabilidade, diminuição da libido e redistribuição de gordura corporal. Pelo fato de as mulheres ainda apresentarem dúvidas e inquietações acerca das mudanças que ocorrem no organismo nessa fase fisiológica, bem como a existência de poucos estudos na literatura científica que relacionem as questões nutricionais e de autoimagem corporal, nesse público específico, objetivou-se analisar a influência do climatério e da menopausa no comportamento alimentar, no estado nutricional, na imagem corporal e as doenças associadas em mulheres climatéricas e menopausadas. Foi realizada uma revisão de literatura, a partir de material científico encontrado em livros, artigos e bases de dados, publicados entre 2000 e 2016, utilizando os termos indexados nos Descritores em Ciências da Saúde: menopausa, comportamento alimentar, estado nutricional, imagem corporal e conduta alimentar. Os sintomas menopausais são decorrentes da diminuição na produção dos hormônios sexuais, principalmente do estrogênio, hormônio responsável pela indução da proliferação celular e das características femininas. Além da deficiência estrogênica, o estilo de vida, os hábitos alimentares inadequados e o sedentarismo constituem fatores de risco às doenças oportunistas, aumento do ganho de peso e intensificação dos sintomas climatéricos e menopausais. Em relação aos hábitos alimentares, a maioria dos estudos realizados nesse público relata inadequação na qualidade e na quantidade de nutrientes, com alto consumo de proteínas e lipídios, segundo inquérito alimentar de 24 horas. Foi observado também consumo insuficiente das vitaminas A, C e D, e nos nutrientes ferro e cálcio, o qual teve o maior déficit de ingestão. Grande parte da população observada apresentou estado nutricional de sobrepeso ou obesidade. Encontrou-se também alta prevalência de insatisfação com a imagem corporal, a qual parece ter relação positiva com sintomatologia depressiva e com índice de massa corporal alterado. Quanto às doenças associadas ao climatério e à menopausa, o hipoestrogenismo nas mulheres está associado ao desenvolvimento de doenças como obesidade, doenças cardiovasculares e psiquiátricas, diabetes, e osteopenia/osteoporose, que são as de maior prevalência. Com base no exposto, conclui-se que as mulheres climatéricas e menopausadas apresentam elevada prevalência de inadequação nutricional, sobrepeso, obesidade, insatisfação com a imagem corporal, e de osteopenia/osteoporose. Torna-se imprescindível uma intervenção de reeducação alimentar nesta fase da vida, objetivando melhorar a qualidade de vida dessas mulheres.

 

Fonte: Scielo